O medo bloqueou os meus sonhos, não deixe ele bloquear os seus.

Todo mundo tem medo de alguma coisa: de elevador, de altura, de lugares fechados, da morte, de falar em público, de ser assaltado; até medos “bobos” como o de baratas. Alguns profissionais dizem que é um estado de autopreservação. Atribuem ao medo um aspecto afetivo, descrevendo-o como um amigo que nos protege dos perigos da vida.

Confesso que o medo é uma constante na minha vida, pois sou fóbico social, algo difícil de descrever. É uma sensação assídua, tipo engraçada e angustiante ao mesmo tempo. Muitos sonhos eu não realizei por causa do medo de falar com pessoas ou, até mesmo, chamar a atenção em reuniões públicas. Meus amigos se recusam a acreditar nisso, dizem que, pelo fato de eu falar muito bem em público, hoje, é impossível que eu sofra de tal mal. Tento explicar que fobia é diferente de timidez, mas é difícil! Consigo ministrar uma palestra sem que as pessoas percebam meu pavor, mas, internamente, há uma dolorosa e inquietante batalha contra o medo. A verdade é que, com o passar dos anos, aprendi a conviver com essa sensação desconfortante e vencer os monstros que o medo lança contra mim, como já afirmei em outro artigo.

Ao contrário do que dizem, não vejo a fobia social como uma amiga íntima. Minha compreensão está muito além desse conceito cientificista e humilhante. Não há como pensar nela sem considerá-la meu mais cruel algoz. Posso aceitar o medo instintivo como importante para a nossa sobrevivência, como, por exemplo, o medo de aranha. Este pode evitar que sejamos picados por uma, mas é inaceitável considerar como necessário ou amigo, algo que me faça mal diuturnamente.

Talvez você queira uma palavra que o(a) ajude a livrar-se de seu medo. Eu diria que só existem dois caminhos: fugir ou lutar. Fugir é uma estratégia confortável, mas que o(a) deixará frustrado(a) por toda a vida. Lutar foi minha decisão. Aprendi que, quando se tem medo de algo, o melhor é enfrentá-lo. Se alguém tem medo de elevador, precisa usá-lo sempre, mesmo que isso lhe pareça desesperador. Expor-me em público constantemente foi a forma que encontrei para encarar meu algoz. É preciso entender que a maioria dos nossos medos não são reais, são apenas fantasias da nossa mente que bloqueiam nosso desenvolvimento e impedem de realizarmos nossos sonhos. . Talvez nunca nos livremos dessas horríveis sensações, mas nossa coragem, certamente, não permitirá que sejamos totalmente dominados por elas.

Esperar por milagres, por resultados imediatos, é uma forma de justificar a incapacidade e a falta de intrepidez para enfrentar o medo. O melhor a fazer é encher o peito de coragem e lutar. Seus sonhos dependem da sua coragem e força de vontade.

Ouvi certa vez que coragem não é ausência de medo, mas o domínio dele.

Deixo-lhes uma frase: “Não devemos ter medo dos confrontos. Até os planetas se chocam e do caos nascem as estrelas”. Charles Chaplin

Por Alvaro Santos

Comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.