Prefeitura de Assis contradiz seu lema (“Cuidando de Gente”) ao tirar R$563 mil da saúde para comprar combustível

O Jornal de Segunda (07/04) trouxe uma denúncia que deixou muita gente revoltada. A Prefeitura Municipal de Assis, que tem o orgulho de destacar seu lema “Cuidando de Gente”, desviou, aproximadamente, R$563 mil da saúde para pagar despesas de combustível e outras.

A denúncia diz respeito ao relatório apresentado pelo COFI (Comissão de Orientação e Fiscalização) a um grupo de vereadores no dia 2 de abril, que convidou os conselheiros para explicarem o relatório.    

As muitas reclamações dos usuários da saúde pública, sobre a falta de medicamentos e o sucateamento do transporte, já vem incomodando os vereadores há um bom tempo, isso fez com que alguns deles decidissem atender as reivindicações da população. Vamos aguardar para ver se algo realmente será feito ou se será apenas uma movimentação eleitoreira.

Basta uma volta pelos hospitais públicos e postos de saúde para se ter uma ideia do tamanho do sofrimento da população carente. Num país onde a pobreza é criminalizada, o pobre se vê desprezado pelo poder público e impotente diante das injustiças sociais. A grande maioria é de pessoas trabalhadoras, que lutam diariamente para sustentar sua família, mas uma parte considerável da elite brasileira, criou o péssimo hábito de atribuir a este estrato social, tudo que acontece de ruim na sociedade.    

Para os muito ricos, o pobre que sofre e até morre nos corredores dos hospitais, por falta de um serviço público de qualidade, está apenas “recebendo o que merece”, como se sua condição de miserabilidade, fosse exclusivamente sua culpa. Isso faz com que muita gente, até mesmo o pobre que ainda não sofreu as dores da injustiça, ignore as atitudes desumanas do poder público contra seu semelhante.

Infelizmente, boa parte do pobre brasileiro não possui consciência de classe e por isso se constitui em uma fácil e barata massa de manobra nas mãos das grandes corporações e políticos corruptos. O poder público aprendeu a promover com maestria o desmanche da saúde, da educação e da cultura. Basta o estado dizer que está quebrado e tudo bem. A população, privada de educação e cultura de qualidade, dificilmente abrirá seus olhos e se levantará para lutar por seus direitos e por dignidade.

A Prefeitura está fazendo um bom trabalho de recuperação da malha asfáltica da cidade, mas é importante saber que somente isso não basta. Há uma agenda orçamentária e uma série de outras necessidades para serem supridas. A famosa hierarquia de necessidades de Maslow é uma demonstração das prioridades para que uma pessoa ou sociedade alcance um estado aceitável de dignidade humana e qualidade de vida.  

Na base da hierarquia, estão as necessidades fisiológicas e de segurança, ou seja, as necessidades de se manter vivo, de gozar de boa saúde, se alimentar e dormir bem, de ter sua integridade pessoal e de sua família preservada.  Essa deve ser a prioridade de um governo e, infelizmente, é onde ele mais falha com seu povo.

Redação Carta Democrática

Foto: Prefeitura de Assis

Comentários

    Henrique S. Mattos

    ( - )

    Tudo tem a ver com classes… Não conseguer se ater aoa fatos… Que jornalismo é esse?

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.